Pesquisa Revolucionária sobre CEP na Holanda

 

OBSERVE QUE:

O autor não tem treinamento médico. A pesquisa em questão foi realizada na Holanda; portanto, números, resultados comprovados, conclusões e protocolos médicos podem variar em cada país. Contate seu médico em caso de dúvidas com relação a sua própria saúde.

A Holanda tem aproximadamente 17 milhões de habitantes e 41,520 km2/16.031 milhas quadradas.

O Sistema de Saúde Holandês é obrigatório e o prêmio do seguro não está relacionado ao estado de saúde, à idade ou à renda do paciente. O Sistema tem dois níveis: os primeiros cuidados são pagos por um Seguro Obrigatório Privado (e.g.  visita a médicos de família), enquanto cuidados de longo prazo são cobertos pela previdência social (através de impostos destinados a esse fim).  A maioria dos hospitais são privados e trabalham sem fins lucrativos.


Na primeira semana de 2014, conduzi uma entrevista com Kirsten Boonstra, uma pesquisadora de doutorado no Centro Médico Acadêmico (CMA) de Amsterdam sobre sua recente publicação na Hepatology
1 ('a revista mensal sobre hepatologia') que aborda o estudo sobre Colangite Esclerosante Primária (CEP) na Holanda. O grupo de pesquisas da CMA sobre CEP é especializado em estudar a evolução da doença. Que conclusões podemos tirar desse revolucionário projeto de pesquisa? E há consequências para pacientes com CEP? A informação a seguir vem de uma entrevista com Kirsten Boonstra. .

Primeiramente, o planejamento dessa pesquisa é bem diferente por envolver 44 hospitais holandeses com seus médicos e enfermeiras, e os três centros de transplante de fígado na Holanda ( LUMC , UMCG e Erasmus MC ). Geograficamente, a pesquisa cobre praticamente metade do território da Holanda. Todas as fichas dos pacientes com suspeita ou diagnóstico de CEP foram examinadas individualmente pelos pesquisadores Boonstra e Ponsioen, para confirmar o diagnóstico da doença.  Isso resultou em 590 pacientes com CEP. Ano a ano as fichas são e sempre serão atualizadas para que os pesquisadores possam acompanhar o desenvolvimento da doença. É a primeira vez que uma doença rara como a CEP será examinada em um determinado espaço geográfico incluindo toda a população. Depois de seis anos de pesquisa, a equipe da CMA examinou praticamente metade da população, e ao concluírem o projeto, no período de seis anos, eles não só terão todos os pacientes com CEP da Holanda registrados, mas também terão informações atuais e vitais que serão de grande utilidade por um período entre 1 a 12 anos.

Não é só o planejamento da pesquisa que é revolucionário, mas os resultados também são muito interessantes de diversas formas. Por exemplo, o número de holandeses com CEP diminuiu se comparado a pesquisas anteriores: seis em 100.000, em dados absplutos.

Além disso, o período de tempo entre o diagnóstico e o "ponto final" (transplante ou morte) não é de 13,2 anos, como consta em relatos de centros de transplantes, mas de pouco acima de 21 anos para toda a população holandesa com CEP. Um dos motivos para essa diferença é o fato de oprimeiro número ter sido baseado somente em pacientes dos centros de transplantes, que recebem somente pacientes que se encontram em estado avançado da doença. Neste estudo, no entanto, foram examinados pacientes em vários hospitais acadêmicos e em hospitais regionais, o que resulta em menos pacientes com CEP em um estado avançado da doença do que apontam pesquisas anteriores.

Colangiocarcinoma
Colangiocarcinoma (CCA) é uma doença muito rara na população holandesa, com muitos dos casos ocorridos afetando pacientes com CEP. O risco de se ter CCA é quase 400 vezes maior em pacientes com CEP do que em pessoas saudáveis da mesma idade. Vale salientar que a CCA raramente afeta pacientes com "CEP de pequenos dutos" (Isto é, CEP nos pequenos dutos biliares). Aproximadamente 9% dos pacientes CEP entrevistados têm CEP de pequenos dutos.

Câncer Colorretal
Pesquisas do mundo todo mostram que o risco de Câncer Colorretal (CCR), que afeta dez vezes mais pacientes com CEP, afeta frequentemente pacientes mais jovens, por volta de 39 (comparado ao controle de DII (59 anos)). No geral, o risco de morte por Câncer Colorretal é muito menor do que por CCA, especialmente se o câncer for descoberto a tempo.


Para o paciente recém diagnosticado com CEP, o procedimento holandês atual é: e.g. passar por uma colonoscopia na conhecida "hora do diagnóstico", que é o momento de diagnosticar a CEP.  Se não há nenhuma inflamação aparente, então não há necessidade de mais nenhuma endoscopia. No entanto, se inflamações forem detectadas nos intestinos, é recomendado que colonoscopias sejam realizadas anualmente.


Pesquisas mostram que o número de mortos por CCR é significantemente menor entre os pacientes que fazem colonoscopia anualmente do que entre pacientes que não a fazia com frequência ou nunca fez. Isso enfatiza a importância de se submeter a uma endoscopia anualmente para detectar inflamações. Importante lembrar que deve-se realizar o procedimento em uma idade relativamente jovem, pois este período é quando o câncer costuma começar a se desenvolver: "39 anos de idade", constata a Pesquisadora Boonstra.

Ácido Ursodesoxicólico
Dentre todos os pacientes, metade comprova que o uso de ácido ursodesoxicólico (também conhecido por "urso" entre os usuários) tem um efeito positivo nos resultados de laboratório e a maioria dos usuários sente-se bem usando o produto. No entanto, não há provas de que o uso da droga tenha efeito em um estágio mais avançado da CEP. Normalmente, o uso do ácido ursodesoxicólico inibirá a inflamação.

AINEs
AINEs são Anti-inflamatórios não-esteroides. Exemplos de AINEs que são normalmente utilizados incluem ibuprofeno, naproxeno e diclofenaco.

Há relatos de que o uso ocasional de AINEs consegue prevenir a progressão da doença.  No entanto, Boonstra afirma que, atualmente, não há como comprovar esta teoria, mas, com certeza vale investiga-la a fundo, bem como os possíveis efeitos colaterais em outras doenças semelhantes, como a Doença de Crohn ou Colite Ulcerosa.

Receptores de transplantes
Embora de forma restritaos receptores dos transplantes não estão inclusos na pesquisa, ex-pacientes com CEP que passaram pelo transplante durante o período da pesquisa foram acompanhados pelos pesquisadores a fim de se ter uma visão melhor desta população. Por exemplo, é possível que os pacientes com CEP retornem ao hospital depois do transplante, ou o órgão está danificado, por exemplo, em uma das vias biliares. São informações interessantes para pesquisadores e médicos, os quais podem tratar futuros pacientes da melhor forma, graças a este grupo de pacientes.

E o que nós, pacientes com CEP, podemos fazer sozinhos?
Você pode seguir um cronograma que o permita ter um controle da endoscopia anual e da densitometria óssea (para averiguar a densidade dos ossos). Há um protocolo CEP na Holanda, mas este estudo mostra que o protocolo nem sempre é seguido de forma apropriada. É possível que os médicos esqueçam de perguntar algumas vezes. Você mesmo pode comentar isso com seu médico! 

Com uma colonoscopia anual, mesmo que haja ou não a presença de sintomas gastrointestinais, a taxa de mortalidade cai significantemente. Para pacientes com CEP com intestino saudável (sem inflamação), tais exames anuais não são necessários.


 Além disso, é essencial que pacientes com doenças raras participem de várias pesquisas e registros, e que concedam a permissão para usar as informações obtidas como material de pesquisa que gerem resultados em um nível nacional e internacional. Quanto mais pesquisadores e médicos souberem sobre essa doença, mais rápido estará disponível um tratamento/medicação para combater a CEP.

Conclusão:
Especialmente para uma doença rara, é importante que a pesquisa parta da colaboração de uma grande população. Assim, informações confiáveis, úteis e detalhadas sobre a doença poderão emergir. Como resultado deste estudo, o número de incidências e o risco de prevalência da doença (6 a cada 100.000) e anos de sobrevivência pós diagnóstico no mundo todo ganhou um novo padrão ( 21 anos para transplante ou morte).

A pesquisa ainda tem outro lado positivo: os especialistas em CEP da CMA não param de receber mais e mais telefonemas de especialistas dos44 hospitais envolvidos para discutir casos de pacientes ou conseguir respostas para perguntas relacionadas a doença.. Definitivamente, houve um crescimento no diálogo entre as equipes, e é justo dizer que pacientes com CEP só têm a ganhar com tal colaboração.

 

O que vem a seguir?
A doutora Liesbeth de Vries uniu-se recentemente à equipe de pesquisa sobre CEP da CMA e ela expandirá e analisará pacientes holandeses com CEP no decorrer dos anos. Por meio dessa pesquisa, teremos uma novidade na Holanda: todos os pacientes com CEP serão registrados e graças às atualizações anuais o desenvolvimento do CEP poderá ser monitorado de perto.


Todo o projeto de pesquisa está sendo arquivado em um grande banco de dados na CMA, podendo ser acessado somente pelos pesquisadores  envolvidos. A equipe de pesquisa espera que, futuramente, possam desenvolver uma versão web, a qual poderá ser acessada através de um login pelos médicos envolvidos, permitindo assim que informações relevantes sobre seus pacientes sejam adicionadas.

Esta é a maior colaboração populacional envolvendo pacientes com CEP no mundo.. Este grupo de pacientes está sendo monitorado neste exato momento. Será de grande interesse para os futuros pesquisadores continuar as pesquisas sobre a CEP pois a população já estará registrada. Isso economizará tempo e dinheiro, ambos valiosos. E mais, assim que todos os pacientes CEP estiverem registrados, será interessante descobrir se há diferenças regionais ou se existe algum tipo de desenvolvimento clínico genérico.


Boonstra
A dra. Boonstra espera defender sua tese de Doutorado em outubro de 2014.  Ela pretende seguir carreira como hepatologista gastrointestinal e se candidatará a um cargo de XXXX no ano que vem. 


Referências
1 . Boonstra K , Weersma R Erpecum Of KJ , et al  Epidemiologia, Risco de Malignidade e Resultados da Colangite Esclerosante Primária. Hepatologia 2013, 2045-2055.

 

 

Glossário


Cohort  Um grupo de pessoas com características em comum que fazem parte de um estudo.


Colonoscopia    Exame Endoscópico do Cólon.
 

DEXA Scan          Absorciometria bifotónica de raio X
Serve para medir a densidade dos ossos e determinar se houve "perda de ossos" (osteoporose).

Endoscopia        Exame visual do interior de um órgão do corpo através de um endoscópio (um tubo flexível).

 

Estudo prospectivo        Estudo no qual pacientes com CEP são acompanhados no decorrer do desenvolvimento da doença que não foi primeiramente causada por outra doença.


Esclerosante      Enrigecimento do tecido.

Colangite            Inflamação nos dutos biliares.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Autor: Marleen K

Editor: Valmae

Tradutor:

Link para o artigo citado na entrevista: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/hep.26565/abstract